ClickCease
Olá Mundo!

Tratado fiscal denunciado entre Holanda e Rússia em 1º de janeiro de 2022

Em 7 de junho do ano passado, o governo holandês informou o gabinete sobre o fato de que o governo russo concordou oficialmente com o término do tratado de dupla tributação entre a Holanda e a Rússia. Portanto, a partir de 1º de janeiro de 2022, não há mais um tratado de dupla tributação entre a Holanda e a Rússia. A principal razão para que isso aconteça, baseia-se em negociações fracassadas em 2021 sobre um possível novo tratado tributário entre os países. Um dos principais problemas foi o desejo russo de evitar a fuga de capitais aumentando a alíquota do imposto.

Qual era o objetivo das negociações?

A Holanda e a Rússia queriam explorar se poderiam se alinhar com ambas as visões. Os russos queriam evitar a fuga de capitais, aumentando a retenção na fonte sobre dividendos e juros para 15%. Apenas algumas exceções menores se aplicariam, como subsidiárias diretas de empresas listadas e certos tipos de acordos de financiamento. A fuga de capitais é basicamente a saída de capital e ativos financeiros em grande escala de uma nação. Isso pode ter várias causas, como desvalorização da moeda, imposição de controles de capital ou simplesmente instabilidade econômica dentro de uma determinada nação. Isso também está acontecendo na Turquia, por exemplo.

Os holandeses, no entanto, recusaram esta proposta russa. Isso se deve principalmente ao fato de que o acesso ao tratado tributário seria bloqueado para muitos empresários. A Rússia então propôs estender a exceção às empresas privadas, desde que os beneficiários finais dessas empresas também sejam residentes fiscais holandeses. Isso significaria que todos os proprietários de uma BV holandesa poderiam se beneficiar do tratado de dupla tributação. No entanto, isso ainda bloquearia o acesso ao tratado fiscal em muitas situações que a Holanda não considera abuso do tratado. Empresários estrangeiros não poderiam se beneficiar do tratado, por exemplo. Uma vez que uma grande parte das empresas privadas holandesas são estabelecidas por empresários estrangeiros.

A tributação das empresas imobiliárias também é um ponto de discussão. A rescisão do tratado tributário entre a Holanda e a Rússia pode ter consequências muito negativas para os investidores e o comércio entre os dois países. Um exemplo proeminente é a isenção total do imposto sobre dividendos, conforme previsto na lei nacional holandesa. Isso irá expirar, resultando em uma taxa de 15% sobre o pagamento de dividendos pelos contribuintes holandeses aos acionistas russos. Por outro lado, a Rússia pode cobrar impostos mais altos sobre dividendos, royalties e pagamentos de juros. Estes não são dedutíveis dos impostos holandeses. Todo o cenário coloca muitos empresários em águas instáveis, especialmente empresas que lidam com empresas russas.

O processo de denúncia

Todo o processo até a denúncia na verdade levou vários anos. Em dezembro de 2020, o Ministério das Finanças da Rússia anunciou a denúncia. O primeiro passo prático foi dado em abril de 2021, quando um projeto de lei da denúncia foi apresentado à Duma do Estado. Depois que esse projeto passou por várias etapas de consideração e correção, foi concluído no final de maio de 2021. O projeto também foi arquivado. Em junho de 2021, a Holanda recebeu a notificação formal e também respondeu a ela. Qualquer tratado fiscal pode ser revogado unilateralmente, o mais tardar seis meses antes do final de qualquer ano civil, mediante notificação escrita. Assim, não existe mais um tratado fiscal em vigor entre a Holanda e a Rússia a partir de 1º de janeiro de 2022.

Reação do governo holandês a essas mudanças

Assim que o secretário de Finanças holandês recebeu a notificação formal sobre a denúncia, ele respondeu com a mensagem de que ainda é preferível buscar uma solução comum.[1] As negociações sobre este tratado tributário acontecem desde 2014. Na verdade, houve um acordo alcançado em janeiro de 2020 entre a Rússia e a Holanda. No entanto, a Rússia iniciou de forma independente certos procedimentos, com o objetivo de alterar os tratados fiscais com vários outros países também. Estes incluem, mas não estão limitados à Suíça, Singapura, Malta, Luxemburgo, Hong Kong e Chipre. A proposta russa visa principalmente aumentar a taxa de retenção na fonte de 5% para 15%. Como dito acima, isso inclui apenas algumas exceções. Esses países também são rotulados como jurisdições do protocolo WHT russo.

Uma vez que a Rússia iniciou essas mudanças, o antigo acordo não era mais válido, pois a Rússia ofereceu à Holanda exatamente o mesmo que foi oferecido aos outros países. Um dos principais problemas com este protocolo é o fato de que ele sempre se aplicaria, mesmo no caso de abuso de tratados. O tratado original continha uma taxa de retenção de 5%, mas com o protocolo russo isso aumentaria para 15%. Tal aumento pode afetar profundamente a comunidade empresarial, daí a apreensão do governo holandês em atender aos desejos russos. Todos os proprietários de empresas na Holanda sentiriam as consequências, e isso é simplesmente um risco muito grave para ser assumido. A Holanda tentou contrariar a proposta russa com suas próprias propostas, como permitir que empresas holandesas não listadas usassem a taxa mais baixa, bem como novas medidas antiabuso. Mas a Rússia rejeitou essas propostas.

Quais são as consequências dessa denúncia?

A Holanda é considerada um investidor significativo na Rússia. Além disso, a Rússia é um parceiro comercial muito importante dos holandeses. A denúncia certamente terá certas consequências, especialmente para as empresas que fazem negócios ativamente com a Holanda. De longe, a consequência mais significativa é a taxa de imposto mais elevada. A partir de 1º de janeiro de 2022, todos os pagamentos de dividendos da Rússia para a Holanda estarão sujeitos a 15% de imposto retido na fonte, que antes era uma taxa de 5%. Para a tributação de juros e royalties, o aumento é ainda mais impressionante: passa de 0% para 20%. Há também o problema da compensação dessas altas taxas com o imposto de renda holandês, pois isso pode não ser mais possível. Isso significa que algumas empresas terão que lidar com a dupla tributação.

Em alguns casos, a dupla tributação ainda pode ser evitada após a denúncia. A partir de 1 de janeiro de 2022, será possível invocar o Decreto de Dupla Tributação 2001 (Besluit voorkoming dubbele belasting 2001) em determinadas circunstâncias. Trata-se de um plano unilateral holandês que impede que os contribuintes residentes ou estabelecidos nos Países Baixos sejam tributados duas vezes sobre o mesmo rendimento, nomeadamente nos Países Baixos e noutro país. Isso só vale para uma série de situações específicas e também sob certas condições. Por exemplo, um empresário holandês com um estabelecimento permanente na Rússia tem direito a uma isenção. Um funcionário holandês, que realiza trabalho no exterior e é remunerado por isso, também tem direito a uma isenção. Além disso, todas as empresas sujeitas ao imposto sobre o rendimento das pessoas colectivas podem aplicar continuamente a isenção de participação e detenção.

Além disso, a isenção para lucros corporativos estrangeiros (sob a isenção de participação e isenção de objeto) para evitar a dupla tributação continua a ser aplicada às empresas holandesas. A principal consequência da nova situação é que a Rússia poderá cobrar (mais altos) impostos retidos na fonte sobre dividendos de saída, juros e pagamentos de royalties. Esses impostos retidos na fonte não são mais elegíveis para liquidação em uma situação livre de tratados. Sem um tratado de dupla tributação, todos os pagamentos das empresas envolvidas estarão sujeitos a tributação na Holanda e na Rússia, o que significa que pode haver a possibilidade de dupla tributação. Isso significa que algumas empresas podem ter problemas financeiros, sem tomar as medidas adequadas.

O que isso significa para sua empresa?

Se você atualmente possui uma empresa na Holanda, a ausência do tratado de dupla tributação pode ter consequências para o seu negócio. Especialmente se você faz negócios com a Rússia. Aconselhamos que você analise a parte financeira com um especialista no assunto, como Intercompany Solutions. Podemos ajudá-lo a avaliar sua situação e ver se há alguma solução para possíveis problemas. Você pode fazer várias alterações para evitar a dupla tributação. Por exemplo, você pode procurar diferentes parceiros de negócios em outros países que ainda tenham um tratado de dupla tributação em vigor entre eles e a Holanda. Se você importar ou exportar produtos de e para a Rússia, poderá ver se consegue encontrar novos distribuidores ou clientes.

Se a sua empresa está fortemente ligada à Rússia, podemos analisar em conjunto se a sua empresa pode ser abrangida por uma das isenções mencionadas no Decreto de Dupla Tributação de 2001 (Besluit voorkoming dubbele belasting 2001). Como mencionado anteriormente; se você também tiver um estabelecimento permanente na Rússia, provavelmente não terá que pagar impostos duplos. A Holanda continua discutindo essa questão com a Rússia, e o secretário de Estado holandês das Finanças espera encontrar uma solução ainda este ano. Portanto, ainda não está escrito em pedra, embora aconselhemos fortemente que você permaneça flexível e alerta. Se houver algo Intercompany Solutions pode ajudá-lo, sinta-se à vontade para entrar em contato conosco com qualquer dúvida que possa ter. Teremos prazer em ajudá-lo com quaisquer mudanças que sua empresa tenha que iniciar.

[1] https://wetten.overheid.nl/BWBV0001303/1998-08-27

Precisa de mais informações sobre a empresa holandesa BV?

CONTACTE UM EXPERTO
Dedicado a apoiar empreendedores com início e crescimento de negócios na Holanda.

Contatos

Membro de

cardápiochevron-downcírculo cruzado